Música ” Comercial “

IES CHAMOSO LAMAS

O ÂNGULO DE ENXERGAR

César Morán: Cantautor, compositor e escritor

HIPER MASIDE

A gente fala de música “comercial”, e não sei se todos querem dizer o mesmo. Hoje ocorre-me refletir sobre o termo, pois é algo já antigo nas conversas e no pensamento. Durante anos, falarmos de música “comercial” era referirmo-nos à que não era “culta”, “progressiva”, “séria” ou de estrita intenção “artística”, o qual é talvez uma montagem de enteléquias, visto desde o ângulo em que agora me coloco. Qualquer palavra das que ponho entre aspas é susceptível de ser analisada e revisada, havendo em consequência diferentes leituras. E intuo que sobre nós pesa ainda o conceito de elite e de “cenáculo” que aninhou em círculos intelectuais de há cem anos, os nomeados anos vinte ou um pouco antes, ideia que já vinha do dandismo e da estética vitoriana… Anos aqueles onde igualmente surgira, no espírito das vanguardas, a atitude iconoclasta e a criação livre, às vezes bebendo no génio popular. Contraditório, pois, como a vida mesma.

O uso das palavras chega a ser inconsciente e arbitrário. Objetivamente o termo “comercial” significa que se vende, e portanto que chega a muitos usuários. Deixo viajar a mente e detenho-me nos setenta, quando andávamos arredor da pedra filosofal inventando a arte. Construír a partir do nada, ou de nada “utilitário” e de consumo. E no mesmo instante, sob a inércia de Woodstock e da ilha de Wight adorávamos Dylan, Beatles, Rolling Stones, e depois Genesis, Yes, Pink Floyd, King Crimson, que em nengum caso eram música “comercial”. E de Led Zeppelin melhor nem mentar. Também foi a época das óperas rock, como Hair –memorável “Aquarius”– ou Jesus Christ Superstar que víamos e ouvíamos uma e outra vez sem nos cansar. Lembro que daquela começara a escrever uma ópera rock com um amigo rockeiro e talentoso a quem esperava uma longa trajetória musical que ainda mantém, e um dia chegou extasiado: –Escuitei Quadrophenia dos Who! A partir de agora, Jesus Christ Superstar já me parece como Fórmula Quinta.

Nos últimos noventa, os rapazes da idade do meu filho viviam o fascínio do grunge, o rock alternativo que surgira em Seattle, inspirado polo hardcore punk, o heavy metal, e não direi o indie rock porque esta palavrinha hoje serve para todo. Aquele movimento alternativo que rejeita o formalismo na posta em cena, na vestimenta e nas letras de angústia e alienação social, chega a ser popular no nosso âmbito quando já se produziram os lançamentos com grandes gravadoras, e quando o Nevermind de Nirvana vendera quatrocentas mil cópias por semana em 1991 até acabar vendendo 35 milhões de cópias no mundo. Também neste caso podo afirmar que os aludidos rapazes viam neste fenómeno a grande escala qualquer cousa menos música “comercial”.

Se houvesse que concluir, diria-se que a arte verdadeira e o sucesso comercial podem coexistir no mesmo barco, o que não é mau de seu. Ou chamaríamos “comercial” ao que se programa desde o início para sê-lo, mas isto não é certo, nem longe de nós nem no âmbito musical que temos mais perto.


(Artigo publicado no número 481 de Sermos Galiza, suplemento semanal de Nós Diario, sexta feira 26-1-2022)


Outros artigos de César Morán :

Memória do Zeca

A Beleza

O clarinete de Aquilino

A Música desde o Público

Passar, verbo (in)transitivo. De Mirasol a Vinicius

FRANCO BATTIATO: popular e experimental, na busca do transcendente

Xela Arias. História de uma foto.

Cunqueiro e os Pentagramas

A presença da música ao vivo

Na taberna cultural da Arca da Noe

A Música em estado crítico

O Idioma da Música: A Língua do canto

A minha viagem com Dámaso Alonso